12 março 2007

Reduzir, reciclar e reutilizar

Sempre achei este um principio a seguir e mais ainda desde que tenho uma criança em casa e que o futuro passou a ser encarado com mais seriedade.
Desde pequeno que o T. tem sido alertado para a poupança da água, da electricidade, do papel, do reciclar o lixo e agora mais recentemente o uso dos sacos plásticos. Embora já o fizessemos antes, desde que o supermercado onde vamos muitas vezes passou a cobrar 2 centimos por cada saco, reduzimos ao minimo o levar mais um saco para casa, para como diz o T. não poluirmos o ambiente. Concordo plenamente.
Passamos a adoptar por levar um saco de pano (handmade, claro), mas quando nos esquecemos dele em casa, o T. recusa-se a trazer um dos de plástico e lá viemos para casa a fazer malabarismo com os iogurtes, o pão, as batatas, os sumos... Todos os dedos servem para segurar mais qualquer coisa, o pior é chegar ao carro e descobrir que não há nenhum dedito livre para abrir a porta. Há que aplaudir o figuraço...
Então metemos mãos à obra e fabricamos mais um num tecido bem resistente e num tamanho um pouco maior para podermos trazer mais coisas. E o T. ajudou a fazer o dele, para na próxima ida ao supermercado, poder transportar os artigos de máxima importância que convém nunca deixar para trás... iogurtes e ovos kinder.



Estamos cheios de boa vontade e o hábito vai-se instalando.
Há uns dias fomos a Faro e aproveitamos para fazer algumas compras numa grande superficie da área e confesso que me causou muita impressão quando ao pagarmos, a caixa era daquelas em que a operadora ao registar vai pondo os artigos logo no saco, e o máximo que a senhora punha eram 3 por cada um. O T. do alto dos seus 6 anos e pronto defensor do "seu" meio ambiente, bem chamou a atenção da rapariga que não lhe ligou nenhuma e continuou do mesmo modo. Viemos para casa com um mar de plástico, tentando usar o balde do lixo como desculpa para ir escoando todo aquele exagero.

Acho curioso os olhares de estranheza quando nos vêm a levar um saco de casa, depois até comentam "mas que boa ideia, eu até podia fazer o mesmo". Só é pena que no dia a seguir ao encontrar essa mesma pessoa, vamos ter com ela e dizemos "Então? Tantos sacos plásticos, não disse que também trazia um de casa?" ao que a resposta foi "É que sabe , ecologia não é comigo.". Pois é, falar da boca para fora é fácil mas quando se trata de aplicar a teoria no dia-a-dia toda a conversa cai por terra e o comodismo vem ao de cima.

2 comentários:

Edien disse...

Concordo plenamente!
Queria agradecer o teu comentário ao meu post e obrigada também por me dares a conhecer o teu blog que está bem giro por sinal.

alice disse...

Realmente tens toda a razão. Em casa faço a separação das embalagens e tento ao máximo poupar na água, pois além de cara penso que daqui a uns anos pode fazer muita falta. Também vou a esse tal dupermercado, mas levo sempre um saco de plástico de casa, não tinha tido essa ideia. Vou ver se faço um saco em tecido. Obrigada pela ideia.
Beijinhos
Alice